quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Jargões da dança de salão

Olá!

Toda comunidade ou grupo tem suas palavras "secretas", sua forma de comunicar utilizando jargões. Isso, como é sabido, acontece em todos os lugares, até mesmo na vida cotidiana. Quem já não deparou com uma conversa de interessados em informática, dizendo "deletar", "sucatar", etc...
Pois então, a dança de salão também tem seus jargões. São palavras ou termos que são utilizados nos salões e aulas de dança e quem não sabe, acaba se confundindo.
Não vou colocar todos aqui, mesmo porque não tenho vivência suficiente para tal, mas aguardo a colaboração dos leitores desse blog para completar a lista. A lista passará então a compor esse blog e trazer mais informações aos leitores. Desde já agradeço.
Então vamos lá:

Ronda: sentido em que o baile se desloca dentro do salão. Esse sentido é sempre anti-horário, com o cavalheiro com o braço esquerdo para dentro da ronda (roda) e a dama com o braço esquerdo para fora. A ronda facilita a dança de todos, pois facilita o deslocamento.

Gafieira: é o local onde se dança a dança de salão. É o salão de dança e não um ritmo.

Ritmo: é nome da dança. Também é o tempo que se demora a repetir um fenômeno repetitivo. É um ciclo. É o ciclo entre um tempo forte da música até o outro tempo forte. É formado por compassos.
A palavra vem do grego "rhythmos" e designa "aquilo que flui, aquilo que move". Segundo Platão, "o ritmo é a ordem do movimento". Hoje o ritmo é conhecido como a organização do tempo. Não é portanto um som, mas somente um tempo organizado. Em música existem sons longos e sons breves. Há também momentos quando se interrompe a emissão do som: os silêncios. A duração do som depende da duração da vibração do corpo elástico. A duração é a maior ou a menor continuidade de um som. A relação entre durações de sons define o ritmo.  

Toco ou tábua: é a recusa de um dos dançarinos (seja o cavalheiro, seja a dama) em aceitar um convite para dançar.

Ballroom: de origem inglesa, mas que significa "dança de salão de competição".

Pivô: é o giro no mesmo lugar, feito na planta do pé como base.

Footwork: enfeites que os dançarinos fazem com os pés durante a dança e normalmente sozinho de frente pro par. Na salsa em linha se chama shines.

Cambrê: movimento que a dama faz se curvando para trás. Muito usado em passos de zouk.

Plié: lê-se pliê. É o movimento que se faz flexionando as pernas. Usado para saltos e para algumas poses ou figuras.

Adorno: movimentos que têm a finalidade de dar maior charme à dança. As mulheres utilizam mais, mas os homens também podem fazer, para dar mais elegância e melhorar a postura. Pode ser parado ou em movimento.

Figuras: são os conhecidos passos da dança.

Bolsista: pessoa que faz aula de dança, ajuda a escola com os alunos, aprende a dançar e o melhor: não paga, mas também não recebe.

Sistemas (tango): o tango tem dois sistemas básicos de se dançar: paralelo e o cruzado. Paralelo é quando as pernas dos dançarino estão "trocadas", ou seja, quando em um deslocamento da perna direita do cavalheiro, a dama desloca a esquerda. Cruzado: é o inverso do paralelo, ou seja, quando as pernas dos dançarino estão "semelhantes", ou seja, quando em um deslocamento da perna direita do cavalheiro, a dama desloca também a direita.

Cortina: são sequências de músicas de um determinado ritmo musical, por exemplo, 4 músicas de salsa, 4 músicas de samba, então temos duas cortinas uma de salsa e outra de samba.
Também pode ser o intervalo entre tandas (tango), que é uma música não-dançante, para o pessoal voltar às mesas e/ou trocarem os pares e geralmente dura poucos segundos.

Tanda (tango): são grupos de 4 músicas de tango tocadas em sequencia.

Pé de base: É o pé que está sustentando, no determinado momento, o peso do corpo, deixando o outro pé livre.

Tempo: é o valor que se toma por unidade de movimento.

Compasso: é a divisão de um trecho musical em séries regulares de tempo. O compasso separa os valores com acentuação periódica, alternando entre o forte e o fraco. O compasso pode ser simples - produz a sensação de apenas uma pulsação por tempo - ou composto - produz a sensação de três pulsações por tempo. Os compassos mais comuns são o binário (1 tempo forte e 1 tempo fraco), ternário (1 tempo forte e 2 tempos fracos) e quatenário (1 tempo forte e 3 tempos fracos).

Harmonia: é a combinação sinultânea dos sons.

Melodia: é a combinação sucessiva dos sons.

Som: é a sensação produzida no ouvido pelas vibrações de corpos elásticos. A "vibração regular"  produz sons de altura definida, chamados de sons musicais ou notas musicais. A "vibração irregular" produz sons de altura indefinida chamados de barulhos. Na música são usados não somente sons regulares (instrumentos musicais com notas definidas), mas também sons irregulares (instrumentos de percussão).

Música: é a arte de combinar os sons simultânea e sucessivamente, com ordem, equilíbrio e proporção dentro do tempo.

Agradecimentos pelas contribuições: 
  • Grilo Phalante 
  • Marcelo Mancebo
  • Edméa Couto
[]s
Wilson Milagres

2 comentários:

GRILO PHALANTE disse...

Aqui vão minhas contribuições. Se me lembrar de mais alguma eu volto aqui! Parabéns pelo blog e pelas visitas!

Footwork - enfeites que os dançarinos fazem com os pés durante a dança e normalmente sozinho de frente pro par. Na salsa também se chama SHINES.

Cambrê - movimento que a dama faz se curvando para trás. Muito usado em passos de zouk

Plié - Lê-se pliê. è o movimento que se faz flexionando as pernas. Usado para saltos e para algumas poses ou figuras

Adorno - Movimentos que têm a finalidade de dar maior charme à dança. As mulheres utilizam mais, mas os homens também podem fazer para dar mais elegância e melhorar a postura. Pode ser parado ou em movimento.

Marcelo Mancebo disse...

Wilson, o pessoal está usando o termo cortina de forma errada. No tango as "tandas" são os grupos de 4 músicas tocadas em sequencia; uma "cortina" separa duas tandas. Em geral a cortina dura poucos segundos, e é uma música não-dançante, para o pessoal voltar às mesas e trocarem os pares.